Ministro de C&T de Portugal e presidente de instituto de tecnologia de Israel abrem os debates do Innovation Summit Brasil

Após o sucesso da palestra de abertura do Ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, realizada ontem (12), hoje foi o dia de iniciar as plenárias do Innovation Summit Brasil, que segue até amanhã em Florianópolis-SC.

Com moderação do Paulo César Rezende de Carvalho Alvim, Secretário de Empreendedorismo e Inovação do Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação (MCTIC), o painel com o mesmo nome do tema central do evento “Ecossistemas de inovação: criativos, conectados e competitivos”, teve a participação do ministro de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Portugal, Manuel Heitor, e o presidente do Instituto de Tecnologia Technion, de Israel, Prof. Peretz Lavie.

Eles apresentaram cases internacionais de sucesso na articulação dos diversos atores envolvidos em um ecossistema de inovação, com impactos significativos para a economia, o desenvolvimento social e a criação de uma cultura de empreendedorismo e inovação.

O Prof. Peretz Lavie é um dos responsáveis pelo destaque do Technion, de Israel, como uma das 100 melhores universidades de pesquisa de alto nível do mundo, sendo reconhecido por sua excelência acadêmica, estratégia de pesquisa interdisciplinar, globalização inovadora e estabilidade financeira.

O instituto de tecnologia tem registrado, em seu mandato, uma série de realizações lideradas pelo recrutamento de mais de 200 novos membros do corpo docente, o que envolveu a captação de recursos extensivos. Ao estabelecer o “Prêmio Yanai”, na educação acadêmica, o Prof. liderou uma mudança significativa na qualidade do ensino no campus e na satisfação dos alunos.

No palco do Innovation Summit Brasil, Lavie baseou sua apresentação no livro Startup Nation – Nação Empreendedora, que conta a história de inovação do país. De acordo com ele, as universidades precisam de três pontos. 1) Missão: o Tecnhion nasceu em 1091 como universidade judia, pois a população não podia estudar em outras instituições; 2) Pesquisa: principalmente na multidisciplinar; e 3) Educação: para estimular um ambiente de empreendedorismo e inovação. “Criatividade é um processo social. Temos um centro de startups e empresas há 10 minutos do campus, e os alunos passam bastante tempo lá. Em um mesmo prédio temos indústria e academia. O Tecnion tem mudado a economia de Israel, de agricultura para alta tecnologia”, explicou o Prof. Lavie.

Com vasta experiência na área, o atual o ministro de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Portugal, Manuel Heitor, é professor catedrático do Instituto Superior Técnico de Lisboa, onde dirige o Centro de Estudos em Inovação, Tecnologia e Políticas de Desenvolvimento. Foi Secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior entre março de 2005 e junho de 2011, envolvendo-se ativamente no crescimento do financiamento público e privado para atividades de ciência e tecnologia, e na reforma do ensino superior. Também foi fundamental no desenho e na implementação de consórcios internacionais em pesquisa e formação avançada entre universidades portuguesas e norte americanas, envolvendo redes temáticas de ciência e tecnologia.

Durante o Innovation Summit Brasil, Manuel apresentou a palestra “Pensar Portugal após quatro anos de convergência Europeia”. De acordo com ele, desde 2016, Portugal passou para a melhor posição dos países da União Europeia considerados como “inovadores moderados”. Para ele, é necessário qualificar e promover o desenvolvimento de competências e processos coletivos de aprendizagem, democratizando o acesso ao conhecimento; promover a diversificação institucional da atividade de P&D, juntamente com o papel de instituições de interface; e diversificar a estrutura da economia e o nível dos incentivos, intensificando o acesso à inovação.